Meu Perfil
BRASIL, Mulher, de 56 a 65 anos, Portuguese, French, Arte e cultura, Animais



Histórico


Categorias
Todas as mensagens
 Citação


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Companhia Solitária
 Escritora Caipira - um dedo de prosa
 Ratos e Homens - Julio Carrara
 Olhos Atentos
 hisafarr
 DADO PROSA E VERSO


 
De uma loba sobrevivente


Domingo animal

Na quarta-feira, fui até a Associação dos dentistas, quase que do outro lado da cidade, embaixo de uma baita chuva, e, embora tenha ido e voltado de táxi e estivesse bem agasalhada, peguei chuva.

Na sexta-feira, começou a tosse chata, aquela que arranha o peito encatarrado. Aff. Auto-diagnóstico: resfriado! Muito embora, a possibilidade de ser a talzinha H1N1 tenha fugazmente me passado pela cabeça, já que estamos em tempos de epidemia.

Tomo, diariamente, todos os cuidados possíveis: assim que chego em casa lavo e higienizo as mãos com álcool gel, até banho diário tenho tomado e trocado de roupa todo dia.

Bom, resfriado não é tão grave, mas é chato. Tira a disposição, o corpo fica ruim, alguns calafrios. Então apelei para o abençoado diclofenaco sódico, alho e limão em jejum, e suco de mel com gengibre e limão para me ajudar expectorar. Também tenho me mantido quietinha dentro de casa, aquecida.

Até ontem, sábado, choveu muito e não pude sair com meus cães. As fêmeas, Hadija, Menininha e Nina, essa última é minha gata, mui compreensivamente, entenderam a situação e se mostraram muito colaborativas e ficaram numa frustração sossegada, por eu não lhes dar a atenção habitual. Já o único macho do “pedaço”, mister Zorro Antônio Banderas, com a falta de feeling, característica da maioria dos machos de toda espécie, se mostrou inconformado, frustrado e ansioso.

Bem, hoje, domingo, nove e meia da manhã, o meu querido casal de vizinhos-cachorreiros, M e P, passaram aqui com a dálmata Nina, que sem hipócritas etiquetas, entrou assim que abri o portão, para vasculhar a casa inteira atrás da minha gata, sua xará e lhe dar bom dia, enquanto o casal me convencia a dar “só uma voltinha” até o largo S. Bento.

Como o solzinho já estava a dar as caras, embora frio, parei de assistir um documentário sobre José Saramago: José e Pilar, e meio a contra-gosto coloquei as guias nos cães e os acompanhei até a praça.

Depois de soltar os cachorros para fazerem suas necessidades e correr um pouco, M e eu ficamos tomando um solzinho, num dos bancos mais próximos da minha rua. Enquanto isso, seu P dirigiu-se até a porta do mosteiro, no outro extremo da praça, para se escondendo, brincar com a Nina. Eu, em pé, apoiada na grade ouvia M discorrer sobre seus assuntos quando, correndo o olhar para o outro canteiro da praça, vislumbrei de relance, um homem de boné, com um cão bege no colo, chegando na praça e sendo, a seguir, coberto pelas folhagens. Imediatamente, uma voz masculina meio grasnada e alta começou a esbrabejar. Nós, M e eu, nada víamos. Só ouvíamos sem entender. Nina, parada no meio da praça olhava placidamente tentando entender. Os grasnados continuavam. Ouvi a voz do seu P, que logo a seguir veio em em nossa direção com Nina o acompanhando. Hadija, Menininha e Zorro estavam juntos de mim. Foi então que o homem de meia idade, saiu de trás dos arbustos no sentido de cruzar a praça e tomar a rua em direção ao fórum velho. Levava pela guia dois pudous, o bege e um branco. Menininha, num de seus rompantes infelizes, correu agressiva, latindo em direção aos bichinhos. Tive que berrar (maravilha pra minha garganta) para chamá-la de volta. Meio a contra-gosto, obedeceu e voltou. Eu a prendi na guia e só então reparei que era um primo meu, de uma das facções mais neuróticas e sequeladas da família a quem abaneia a mão em cumprimento.

Seu P então comentou que ele, enquanto gritava, tinha ameaçado usar uma arma de choque nos “nossos” cães.

Sem titubear eu exteriorizei meus pensamentos. Mas ele, o primo, andando muito rápido, já dobrava a esquina e nem sei se ouviu-me. Dei de ombros e afiancei seu P, que mal as cachorros ele não faria, e que uma das raras qualidades daquela ala da família era gostar muito de bichos.

  Então, tomamos o rumo de casa e nos despedimos no portão.



Escrito por Maria Cunha às 12h06
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]