Meu Perfil
BRASIL, Mulher, de 56 a 65 anos, Portuguese, French, Arte e cultura, Animais



Histórico


Categorias
Todas as mensagens
 Citação


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Companhia Solitária
 Escritora Caipira - um dedo de prosa
 Ratos e Homens - Julio Carrara
 Olhos Atentos
 hisafarr
 DADO PROSA E VERSO


 
De uma loba sobrevivente




Escrito por Maria Cunha às 19h01
[] [envie esta mensagem] []



Rap: Compulsão

 

Eu como demais

bebo muito, demais

falo tanto demais

danço louca demais.

Também penso demais

durmo demais

trabalho demais

e compro demais.

Eu fofoco demais

e aí fumo demais

e brigo demais

transo demais.

Paquero demais

também cheiro demais

me pico demais

quero vida demais.

 

Vertiginoso, destrutivo

perigoso, obsessivo

meu pique é extremo

nada tem de sereno.

o fundo do copo

o fundo do poço

até o pescoço

num jogo aturdido.

Sempre, o mais é pouco

nada nunca é bastante

só paro quando acaba

e o povo segue adiante.

Acordo arrasada

me sentindo vazia

vazia e culpada

desajeitada,

envergonhada.

 

Fruto de uma família

dizem que disfuncional

e de uma sociedade

tão paradoxal.

Em que consumo é legal.

Consumo de gente

de roupa, de sapato

de sexo, de mente.

E assim vou consumindo

o que aparece pela frente

não me importo com nada

nem matar minha gente.

Sou rolo compressor

que passa por cima

triturando pirado

e nessa eu me acabo.

 

Até quando? eu pergunto

ansiosa e frustrada

nem eu aguento o tranco

e fujo assustada.

Sou um jovem tão velho

e um velho assustado

me perdendo eu penso

que me acho de algum lado.

Tô fora, tô dentro

do orbe, do planeta

me penso enturmado

mas sou só tão desgastado.

Homem ou mulher

não faz diferença

o que importa é por dentro

o voraz que não se aguenta.

 

A tal paz eu não acho

procuro me perdendo

de mim mesmo até onde

só sei que me arrebento.

Frustrada, cansada

esmulambada

arrebentada

eu vou me perguntando:

até quando? até quanto?

 

Me mostre o caminho

pra eu parar esse monstro

que me devora e acaba

com tudo e não tem rosto.

Quem sabe algum dia

o equilíbrio distante

eu atinja com alegria

devagar e num instante.

Daí serei só paz,

paz e serenidade

andarei pelo mundo

com passos de bondade.

E essa dor louca, insana

de viver acuada

sumirá de verdade

ficarei mais centrada.

 

Maria Cunha/setembro 2010

 

 

 

 



Escrito por Maria Cunha às 09h42
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]